Separando as contas PF e PJ: como fazer?

Como separar as contas PF e PJ: 5 dicas para médicos

Dra. Luciana Lessa Gestão da Clínica

Leia em 7 min.

Última atualização em 07/12/2021 por Yasmim Mayumi

Baixe gratuitamente nosso kit de cursos e ferramentas para gestão de clínicas e consultórios!

Separar as contas PF e PJ é um passo essencial para os médicos empreendedores que desejam melhorar o desempenho financeiro de suas clínicas com agilidade. 

Está sem tempo para ler o conteúdo? Clique no player para escutar nossa gravação:

Qual é o seu faturamento mensal? Qual é o gasto mensal da sua clínica e da sua vida pessoal? Nos próximos meses, qual é a projeção financeira para o seu caixa?

Apesar de muitos médicos serem administradores de clínicas e consultórios, uma parte expressiva não sabe responder às perguntas acima.

Um padrão comum entre os profissionais é juntar as contas pessoais (PF) e contas da empresa (PJ), porque “o negócio é próprio, logo, todas as contas são minhas“.

Porém, seguir esse pensamento é muito arriscado para a saúde financeira do seu negócio. Separar suas contas é o primeiro passo para ter uma boa organização e, consequentemente, faturar mais.

Desse modo, você consegue focar no seu desenvolvimento profissional e pessoal sem colocar em risco as finanças da clínica. Tudo que precisa fazer é aprender o básico sobre gestão financeira.

Continue a leitura e descubra como fazer isso na prática!

O que é PF e PJ?

Todas as pessoas são PF, ou seja, pessoas físicas. Uma conta PF tem o nome completo do titular (dono da conta), CPF, entre outros dados pessoais.

Uma PJ, pessoa jurídica, é um registro que precisa ser criado, porque se refere às empresas. Em uma conta PJ você tem a razão social, CNPJ e o nome fantasia da clínica.

Sua conta pessoal (PF) deve ter as suas finanças, como o pró-labore (remuneração do administrador pelo trabalho exercido em sua empresa), pagamentos e despesas.

A conta da clínica (PJ) deve conter os pagamentos dos pacientes, entre outras fontes de receita, e o dinheiro dessa conta deve ser usado para pagar despesas como contas de luz, salários e impostos.

Por que separar PF e PJ?

Você olha para o dinheiro da clínica e pensa que esse é o seu salário, já que é a pessoa física por trás de toda a gestão?

Apesar da sua empresa ser fruto do seu esforço, dedicação e empenho, não podemos olhar para o lucro líquido e direcioná-lo apenas para suas contas pessoais, como fatura do cartão e boletos bancários.

Isso pode representar um risco muito grande para a sustentabilidade financeira e para o êxito de sua clínica.

Muitas clínicas não têm uma reserva financeira para usar como capital de giro (dinheiro que sustenta a manutenção da empresa ao longo do tempo).

Além disso, é difícil programar investimentos que melhoram a clínica e saber se ela está lucrando ou apenas pagando suas contas.

Usar o crédito pessoal como PF para um empréstimo para a sua empresa (PJ), por exemplo, pode ser visto como uma atividade ilegal perante a Receita Federal. 

Pergunte para qualquer contador: a primeira ação de todos eles será separar as contas PF e PJ, caso elas não estejam separadas. 

Ter uma conta PJ também traz vantagens importantes, como:

  • Redução de impostos;
  • Acesso à financiamentos e empréstimos maiores;
  • Cartão de crédito especial para a clínica;
  • Acesso a produtos e serviços focados em empresas;
  • Mais facilidade em realizar investimentos.

Como saber se meu cartão é PF ou PJ?

Para saber se seu cartão é PF ou PJ, basta olhar o código. O código 013 entre o número da agência e o número da conta significa que é uma conta poupança de pessoa física, e o código 022, de pessoa jurídica.

Código do cartão para separar contas PF e PJ para médicos

Qual a diferença entre poupança PF e PJ?

Uma conta poupança PF pode ser aberta por qualquer cidadão. 

Em casos de menores de idade, aqueles acima de 16 podem abrir com a presença de um responsável, para menores de 16, é o responsável que deve abrir a conta.

Uma conta poupança PJ exige dados como o CNPJ da empresa. Para clínicas que têm fins lucrativos, há uma alíquota (percentual que serve de base para o cálculo de um imposto) de 22,5% sobre o rendimento. 

Esse investimento garante a proteção do fundo garantidor de créditos de até R$250 mil por CNPJ.

Como dividir meu salário?

Para calcular seu salário, o ideal é usar o conceito do pró-labore

Para não ter problemas com a Receita Federal, o indicado é que o valor esteja compatível com a remuneração do mercado de trabalho para sua função.

Siga nosso passo a passo para calcular seu pró-labore:

  • Liste todos os sócios da clínica e quais funções desempenham na companhia (caso apenas você seja o fundador e gestor da empresa, siga o mesmo processo);
  • Pesquise qual o valor que o mercado médico paga para alguém que realiza as funções listadas. Ou seja, pense que você é um funcionário e o quanto pagaria para realizar o que faz atualmente;
  • Faça os cálculos e marque uma reunião com seu contador para discutir o resultado com um especialista.

Seguindo esses passos, você chegará a um valor justo de remuneração por todo seu trabalho, sem prejudicar o faturamento da clínica e facilitará muito o seu relacionamento com a Receita Federal.

Caso ainda não tenha um contador, olhe nossa página de parceiros para conhecer especialistas voltados para a área da saúde que podem organizar sua vida e localizar oportunidades de redução de tributos.

5 dicas para médicos separarem as contas PF e PJ

Mudar um hábito é um verdadeiro desafio, mas ao seguir estas dicas você vai dar os primeiros passos para alcançar uma gestão financeira de excelência.

Acompanhe!

1. Faça um diagnóstico financeiro

Qual é o lucro da sua empresa? Quanto você gasta com despesas pessoais mensalmente?

Realizar seu diagnóstico financeiro é a melhor forma de começar a separar suas contas. As perguntas acima devem ser respondidas no final do seu diagnóstico!

Anote todas as suas movimentações financeiras em uma planilha, documento online ou no caderno, lembrando de separar as transações da empresa e suas transações pessoais.

Baixe gratuitamente nossa planilha automática de gestão de custos para começar essa atividade agora mesmo:

Planilha Grátis: Encontre os gargalos, diminua a ineficiência e aumente sua lucratividade. Clique aqui!

Nesta etapa, é melhor incluir tudo, mesmo que seja “por excesso”, do que deixar informações faltando. 

Conta de luz, aluguel, IPTU, salários de funcionários, pagamento de materiais para os atendimentos, adicione tudo!

Talvez você tenha a seguinte dúvida: o dinheiro que gasto com locomoção (como o combustível do carro) para ir à clínica, é despesa pessoal ou da empresa?

Como você é a pessoa física por trás da empresa, é provável que existam “bens compartilhados”, por exemplo, o celular que você usa para coisas pessoas e tirar dúvidas de pacientes.

Liste esses bens compartilhados em uma coluna separada da planilha. Depois, avalie o quanto cada item é usado pela clínica.

Vamos supor que ao olhar os gastos com o combustível do carro, notou que 40% da despesa é para ir até a clínica, 30% para ir ao hospital e 30% para atividades pessoais.

Faça uma divisão proporcional aos gastos. Não é justo que você pague por um custo da clínica, mas também não é justo que a clínica pague por todas as suas despesas.

2. Separe as contas bancárias

Após realizar o diagnóstico financeiro da clínica e entender o que realmente está acontecendo com as suas finanças, é preciso separar as contas bancárias para garantir sua organização. 

Lembre-se que a conta da empresa deve ser aberta com o CNPJ. 

E se eu não tiver aberto um CNPJ para a clínica, e atender pacientes com meu CPF?

Não tem problema, crie duas contas diferentes. Você pode pedir cartões em dois bancos distintos, por exemplo, e então definir qual conta será pessoal e qual conta será a da empresa.

3. Tenha um fluxo de caixa da clínica

O fluxo de caixa registra todas as movimentações financeiras do negócio: as saídas (custos/despesas) e as entradas (receitas).

Com uma visualização diária, semanal ou mensal, você consegue entender o fluxo financeiro da empresa e encontrar oportunidades de lucro – sem que precise trabalhar mais.

Ao registrar as transações diariamente, você consegue remanejar as datas dos pagamentos e recebimentos para garantir que seu caixa esteja sempre no positivo.

Se você não tem um fluxo de caixa ou faz ele no papel, pode optar por uma planilha automática para começar esse processo:

Planilha Grátis: Saiba seus maiores gastos, controle melhor suas finanças e entenda suas despesas e receitas. Clique aqui!

Entretanto, se você quer ganhar ainda mais tempo na sua rotina, automatizar os processos financeiros e ter agilidade, o ideal é ter um software médico.

Um software desenvolvido para gestão de clínicas e consultórios conseguirá centralizar sua gestão financeira, o que ajuda imensamente na hora de realizar análises sobre suas finanças.

4. Defina o seu salário

Uma ótima vantagem de administrar a própria clínica é aumentar a renda pessoal de acordo com os resultados da empresa. Porém, o lucro líquido do negócio não é sinônimo de salário, como já vimos no conteúdo.

Você viu como calcular seu pró-labore no tópico sobre “Como dividir meu salário?”. Se a clínica aumentar seu faturamento, seu salário e o dos funcionários pode ser ajustado.

Senão, o ideal é entender como aumentar os resultados: quais investimentos podem ser feitos, como melhorar seu marketing médico e reduzir custos.

Calculei meu pró-labore mas o valor não é compatível com meus gastos pessoais, e agora?

Nesse caso, você tem duas opções: reduzir seu padrão de vida ou criar estratégias para aumentar o lucro da clínica, como atração de pacientes e fidelização (marketing de relacionamento).

5. Crie uma reserva financeira pessoal e uma para a clínica

Se todas as suas fontes de renda desaparecessem hoje, por quanto tempo você conseguiria pagar suas contas?

Para muitos brasileiros, a resposta dessa pergunta não costuma passar de um mês ou alguns dias. Apesar de ser uma situação extrema, muitos profissionais passaram por ela durante a pandemia de COVID-19.

É claro que não é possível viver sem uma fonte de renda como um profissional autônomo, por isso é importante ter uma boa reserva financeira, tanto para contas pessoais, como para a clínica.

Ao separar mensalmente um pouco do lucro do seu negócio para aumentar a reserva, você tem um ótimo capital de giro para sobreviver a crises ou imprevistos, e manter o negócio funcionando.

Essa estratégia também é usada para evitar empréstimos, que são a última escolha que você deve tomar. Afinal, os juros são altos e prejudicam sua saúde financeira. 

Ao seguir todas as 5 dicas, você vai separar as contas PF e PJ, melhorar sua gestão financeira e aumentar seu faturamento, ao mesmo tempo que ganha agilidade. 

Para aprender ainda mais sobre finanças, baixe nosso eBook gratuito:

eBook Gratuito de Gestão financeira para Consultórios: garanta o sucesso do seu negócio!

Sobre o autor

Dra. Luciana Lessa

COO da Medicinae Solutions, a única plataforma de antecipação de faturas médicas do Brasil. Graduada em Medicina pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Cirurgiã Geral, MBA de Executivo em Saúde pela FGV, Health Management pela UPENN, Design Thinking na D.School - Stanford, possui mais de quinze anos de experiência no setor.