Ícone do site Blog iClinic – Dicas para gestão de clínicas e consultórios!

Repasse médico: o que é e como fazer?

O que é e como fazer o repasse médico?
Leia em 6 min.

O repasse médico é a divisão e pagamento entre os profissionais que prestam serviço de saúde em uma clínica. Ele é essencial para uma boa gestão financeira e a satisfação da equipe.

Muitos administradores de clínicas passam por um sufoco todos os meses quando chega a hora de realizar o repasse médico de cada profissional de saúde que atende na clínica.

Quando o médico, além de atender pacientes, também administra seu próprio consultório, o repasse da comissão de cada profissional se torna uma tarefa ainda mais complexa.

Nesse caso, o médico empreendedor precisa se preocupar em cuidar dos pacientes e também realizar toda a gestão do consultório.

O repasse médico é uma atividade muito burocrática, afinal, é preciso verificar todos os atendimentos e procedimentos feitos na clínica em determinado mês, e criar categorias para separar qual foi o tipo de atendimento e em qual convênio.

Além de ser uma tarefa que demanda tempo, também precisa ser feita com muita atenção. Afinal, é o pagamento dos profissionais que está em jogo.

Neste artigo você vai aprender:

O que é repasse médico?

O repasse médico é a divisão e pagamento de valores entre a clínica e os profissionais de saúde que prestam serviço. Ele também é conhecido por outros nomes, como rateio, comissão ou pagamento por produção.

A definição dessa atividade é muito simples, mas, na hora de fazer o repasse no final de cada mês, os gestores enfrentam muitos desafios.

Geralmente o médico recebe pelo menos 70% do valor e o restante (30%) é direcionado para a clínica. Tudo depende do contrato de cada profissional com a empresa.

O repasse possui inúmeras vantagens, como:

O sistema de comissão na área da saúde também leva em consideração critérios como: qual procedimento foi realizado e se foi por convênio ou particular.

Quando  a clínica não possui uma integração de dados, como um software médico, as informações essenciais para o repasse ficam espalhadas, como os procedimentos realizados, quem os realizou e as quantidades.

Isso significa que na hora de fazer o repasse, muito tempo é perdido simplesmente procurando esses dados, o que pode, inclusive, prejudicar a realização dos cálculos do repasse.

Além disso, quando os cálculos de repasse são feitos manualmente por algum profissional, por mais cuidadoso e atencioso que seja, as contas sempre estão sujeitas a algum erro.

Vamos pensar em uma clínica que tem 3 médicos atendendo com o modelo de repasse. Se cada um deles fizer 15 atendimentos por dia, ao final do mês serão 900 atendimentos que deverão ser categorizados.

Esse é um exemplo hipotético, mas pense quantas horas são desperdiçadas apenas com o processo de colocar cada um desses atendimentos em uma planilha do Excel.

Se esse administrador for muito experiente, e já tiver as planilhas com cálculos automatizados, conseguindo contabilizar cada atendimento em apenas um minuto, ao todo são 15 horas de trabalho por mês.

Provavelmente existem outras atividades mais importantes que devem ser feitas em todo esse tempo, correto?

A melhor maneira de evitar os erros mais comuns e otimizar seu tempo, é contar com uma ferramenta de repasse médico automático ou com a ajuda de um contador. 

Assista nosso vídeo para aprender mais sobre repasse médico. 🙂

Qual é a importância do repasse médico?

A comissão é uma tarefa que impacta a gestão financeira da clínica, a satisfação dos profissionais e influencia a experiência dos pacientes.

Pensando na gestão financeira da empresa, garantir que o cálculo do repasse seja feito de forma automatizada e sem erros assegura que não ocorram casos como a bitributação.

Imagine que um paciente tenha pago por um procedimento que custou R$ 5.000,00 em 4 parcelas. No ano seguinte, esse valor entra no imposto de renda.

Porém, esses R$ 5.000,00 também foram repassados para diferentes profissionais de saúde que auxiliaram no procedimento e outro imposto é cobrado em cima do mesmo valor.

Quando há dois impostos cobrados pelo mesmo serviço prestado há o que chamamos de bitributação

Com um repasse automático, a comissão é feita na hora do pagamento do paciente e o imposto é aplicado uma única vez. Uma ótima forma de reduzir impostos, não concorda?

Esse processo também facilita o controle do fluxo de caixa da clínica, que controla todas as entradas e saídas financeiras de um determinado período.

Se você contar com um sistema financeiro com integração entre repasse e fluxo de caixa, é possível ter previsibilidade das finanças dos próximos meses.

Essa automação economiza tempo e ajuda nos processos de auditoria da clínica. 😉

Além disso, garantir que cada médico está recebendo o valor certo de acordo com a qualidade e quantidade dos atendimentos prestados, aumenta a satisfação da equipe e consequentemente dos pacientes.

Afinal, com uma equipe satisfeita e que se preocupa com a qualidade dos serviços, os pacientes serão os mais beneficiados.

5 passos para fazer o repasse médico sem cometer erros

Como falamos anteriormente, o pagamento dos profissionais de saúde é um processo cheio de etapas.

Alguns administradores de clínicas preferem fazer esse processo assim que o mês termina. 

Dessa maneira é só separar os procedimentos, profissionais, convênios, e calcular as respectivas porcentagens ou soma de valores correspondentes, se a remuneração for fixa.

Porém, independentemente de qual período você escolha para realizar o repasse médico, existem alguns passos que não devem ser deixados de lado. Confira quais são eles a seguir.

1. Centralize todas as informações em um único local

É fundamental centralizar todos os dados em uma ferramenta, de preferência em um sistema médico, mas você também pode optar por uma planilha do Excel ou até mesmo em um caderno de finanças.

Assim, você não perde tempo procurando as informações na hora de fazer o cálculo do repasse de cada médico, e não tem o raciocínio interrompido por falta de dados.

Com menos interrupções na hora de realizar os cálculos, menor a probabilidade de você cometer algum erro de conta. Por isso, lembre-se também de sempre procurar um local calmo para fazer essa atividade.

2. Separe cada atendimento de acordo com o profissional de saúde e convênios

Após centralizar todas as informações necessárias, uma boa prática de organização é separar os dados para facilitar a visualização na hora de fazer os cálculos.

Uma boa dica é separar as informações por atendimento, especificando o procedimento, quem realizou e o convênio, caso tenha sido utilizado. Imagine a separação dessa forma: 

Atendimento do paciente Lucas: procedimento limpeza de pele, realizado pelo profissional Dr. iClinico, convênio Unimed.

Não se esqueça de ter ao seu lado os valores de repasse de cada profissional, assim, fica ainda mais fácil fazer os cálculos. 

3. Conte com um software médico com gestão financeira

Como já mencionamos no artigo, contar com a ajuda de um sistema pode ser a solução ideal para tornar essa atividade automática, aumentando sua produtividade.

Em um software médico você consegue obter estes diferenciais:

Se você quer ter todas essas vantagens e ter outras ferramentas como prontuário eletrônico, Teleconsulta, gestão médica e marketing, baixe gratuitamente nossa checklist para escolher o sistema ideal:

4. Faça revisão dos cálculos

É fundamental que você faça uma revisão de todos os seus cálculos antes de finalizar a atividade. Mesmo que você tenha sido extremamente cuidadoso, nada garante que nenhuma falha tenha sido cometida.

O ideal é pedir para outro profissional ou o setor financeiro revisar seus cálculos, assim você garante que nenhum erro passará despercebido. 

5. Mostre os cálculos para seus colaboradores 

Por fim, nossa última dica é mostrar os cálculos para seus colaboradores. 

Você pode fazer isso em uma reunião, compartilhando uma planilha ou até mesmo enviando um relatório.

Essa é uma ótima prática pois incentiva a transparência em suas relações com seus colaboradores, e caso algum equívoco tenha sido cometido, pode ser rapidamente resolvido.

Quer se aprofundar ainda mais no assunto e gerir as despesas da sua clínica da melhor forma? Baixe gratuitamente nosso guia prático sobre gestão de custos agora mesmo:

O artigo foi útil para você? Não se esqueça de compartilhar com seus colegas! 🙂

Gostou deste conteúdo?

Junte-se a mais de 70 mil profissionais de saúde e não perca eBooks, planilhas, dicas e guias exclusivos que vão ajudar na gestão da sua clínica.

Quero receber conteúdos
Sair da versão mobile