Ícone do site Blog iClinic – Dicas para gestão de clínicas e consultórios!

Medicina Digital: o que é, quais são suas vantagens e como usar

Medicina Digital: o que é, quais são suas vantagens e como usar
Leia em 8 min.

A Medicina Digital refere-se a prática de usar TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação) para melhorar a assistência médica, seja por meio de wearables, Telemedicina, home care, entre outros.

Em uma sociedade cada vez mais digital e globalizada, a Medicina precisa usar a tecnologia ao seu favor para tornar os serviços médicos mais ágeis, eficientes e humanizados.

Uma reportagem do UOL mostra como os profissionais de saúde do Hospital do Coração de Alagoas utilizaram as UTIs virtuais para auxiliar médicos e pacientes da capital e do interior do estado.

O projeto, inicialmente, não conseguiu apoio financeiro. Porém, com o início da pandemia, o Hospital conseguiu o suporte que precisava para colocar o projeto em prática.

No pico da pandemia, uma equipe de seis especialistas focada em teleatendimento (um infectologista, cardiologista, fisioterapeuta, enfermeiro e pneumologista) atenderam até 120 pacientes de forma simultânea

Foi um consenso que a iniciativa ajudou a salvar vidas. Além de melhorar o tratamento dos pacientes, isso teve um impacto psicológico nos médicos assistidos pois demos a eles segurança e suporte para que não se sentissem sozinhos.”

Felizmente, a Medicina Digital é uma área ampla que engloba não apenas a Telemedicina, mas outras tecnologias que impactam diretamente na qualidade de vida dos pacientes e qualidade do trabalho dos profissionais.

Neste artigo você vai aprender:

O que é a Medicina Digital?

A Medicina Digital refere-se ao uso das Tecnologias de Informação e Comunicação aplicadas à Medicina, como Telemedicina, wearables, prontuários eletrônicos, home care e software médico.

Apesar da Medicina estar em constante evolução e desde 1950, tecnologias como computadores já fazerem parte do dia a dia de instituições médicas, as últimas décadas foram as mais expressivas em relação ao avanço digital.

Com as chegadas dos smartphones, smartwatches, prontuários eletrônicos e sistemas médicos, os profissionais de saúde conseguiram coletar mais dados sobre saúde do que nunca.

O livro Introdução à Informática em Saúde afirma que em 1950, o conhecimento médico dobrava a cada 50 anos. Hoje em dia, esse conhecimento é duplicado a cada 3 anos e meio.

Todas essas inovações permitiram que os médicos ampliassem seu atendimento com a ajuda de:

Ou seja, é possível definir a Medicina Digital como qualquer uso de tecnologias digitais nas práticas médicas.

Para aprender mais sobre a Telemedicina, continue a leitura e assista nosso vídeo:

Qual a diferença entre Medicina Digital e Telemedicina?

Apesar de serem conceitos conectados, eles não são sinônimos

Lembre-se que Medicina Digital pode ser todo e qualquer uso das tecnologias digitais dentro da Medicina, enquanto a Telemedicina refere-se especificamente aos serviços médicos prestados a distância.

A Telemedicina usa Tecnologias da Informação e Comunicação nas suas práticas. A Teleconsulta, por exemplo, necessita de uma plataforma de videoconferência, de preferência um software médico.

Um depoimento na reportagem mencionada no início do artigo afirma:

A telemedicina tem sido essencial neste momento, mas também será depois da pandemia. Isso porque ela aumenta o acesso à saúde, melhora a experiência do paciente, e, com isso, aumenta-se a aderência ao tratamento de doenças crônicas. Além disso, você consegue chegar mais rápido, tirar dúvidas do paciente, colocar o paciente certo no lugar certo, e, dessa forma, garantir uma melhor saúde para todos.”

Enquanto a Telemedicina e suas demais vertentes estão relacionadas ao atendimento a distância, a Medicina Digital pode ser a distância e presencial. 

Um médico que atende em uma clínica, por exemplo, pode ter um prontuário eletrônico que é usado tanto nos atendimentos presenciais quanto remotos, o que está inserido no contexto da Medicina Digital.

5 principais vantagens da Medicina Digital

1. Agilidade nos atendimentos

Uma das maiores vantagens das tecnologias digitais é a rapidez com que uma informação consegue chegar a pessoas do mundo inteiro. 

O que antes demoraria semanas para chegar por meio de uma carta, hoje é entregue em segundos por meio de uma mensagem, notícia ou vídeo.

O mesmo acontece na área da saúde. Um exame de telerradiologia consegue ser enviado em poucos minutos para uma clínica, e o médico consegue marcar uma Teleconsulta para falar sobre o diagnóstico no dia seguinte.

Antes, esse processo demoraria semanas. O maior benefício dessa agilidade, tanto na entrega de exames quanto na comunicação, é fazer diagnósticos mais rápidos e iniciar o melhor tratamento possível para o paciente.

2. Aumento do acesso à saúde e disponibilidade de serviços

Com as Tecnologias de Informação e Comunicação, uma clínica não precisa ter todos os equipamentos e profissionais presencialmente dentro do estabelecimento.

Os psiquiatras podem fazer a maioria das consultas em casa, a equipe de radiologia consegue enviar resultados de exames a distância, entre outras praticidades.

Esse benefício é importante não apenas para os profissionais de saúde, mas principalmente para os pacientes. O Brasil é um país extenso territorialmente, e a maioria das cidades no interior não conta com especialistas.

Ao invés de se deslocar horas para uma consulta que não exige exame físico, o paciente pode fazer uma Teleconsulta. Um médico de um pronto-socorro pode ter apoio de uma equipe inteira que está na capital do estado.

3. Redução de custos sem diminuição da qualidade

Ao permitir que os serviços sejam feitos a distância, as instituições já notam uma redução de custos nas contas de energia. Ter uma equipe terceirizada também é outra forma de otimizar as despesas.

Entretanto, a maior redução de custos acontece com a melhora no sistema de saúde

A partir do momento que os pacientes contam com médicos mais equipados tecnologicamente, seja por meio de prontuários eletrônicos, Telemedicina ou  wearables, a qualidade dos tratamentos aumenta consideravelmente.

Os profissionais de saúde conseguem atuar cada vez mais na prevenção da saúde ao invés de focar apenas na cura de doenças, o que diminui custos com emergências e doenças crônicas de unidades de saúde.

Os pacientes também reduzem custos com locomoção e medicamentos para tratar doenças crônicas, já que eles conseguem investir no cuidado com a saúde antes que elas aconteçam.

4. Tecnologias digitais mais eficientes

Os avanços da tecnologia, como Inteligência Artificial, Big Data e Machine Learning, permitem que os sistemas se tornem cada vez mais inteligentes e precisos.

Um software médico de 10 anos atrás provavelmente não contava com ferramentas de Telemedicina. Hoje, oferecer esse serviço é praticamente um requisito obrigatório.

Os médicos têm diversas opções de sistemas no mercado, e é possível encontrar um que atenda todas as necessidades de atendimento e gestão da instituição de saúde.

O mesmo vale para os demais equipamentos médicos, sejam eles de hospitais, unidades de saúde, pronto-socorro, consultórios, entre outros.

Está interessado em buscar um sistema para sua clínica? Baixe gratuitamente nossa checklist:

5. Processos simplificados e padronizados

A tecnologia consegue padronizar processos e deixá-los mais simples, o que melhora a experiência de quem trabalha com eles (equipe clínica) e para os pacientes.

Imagine que uma clínica com quatro médicos, uma nutricionista, duas recepcionistas e uma secretária fizesse tudo no papel. 

Cada um tem seu próprio jeito de organizar os prontuários. A nutricionista e um dos médicos atendem o mesmo paciente, mas frequentemente fazem as mesmas perguntas durante as consultas, o que torna a experiência cansativa.

As recepcionistas utilizam a mesma agenda de papel para marcar as consultas, mas ela fica cheia de rabiscos com as alterações de horários e, de vez em quando, acontece mal-entendidos.

A secretária gasta uma semana inteira no final do mês para fazer os relatórios financeiros e declarar impostos, porque precisa conferir informações que se perdem.

Todas essas falhas geram tempo excessivo para fazer tarefas simples, aumento de custos, experiência prejudicada para os pacientes e estresse na equipe. 

Ao adotar um sistema para clínicas, a equipe teria prontuários eletrônicos compartilháveis, agenda online e gestão financeira automatizada, o que eliminaria todos esses problemas recorrentes.

Esse é apenas um exemplo de como uma ferramenta digital pode simplificar processos. 

Como utilizar a Medicina Digital?

1. Estude sobre a Medicina Digital

Você já deu o primeiro passo ao ler este artigo, mas é imprescindível que você não deixe de se atualizar sobre os avanços da Medicina Digital e seus impactos.

Os profissionais de saúde sabem, melhor do que ninguém, que para usar uma técnica ou equipamento, antes é preciso entender seu funcionamento, benefícios e desvantagens.

Ao conhecer tudo o que a Medicina Digital pode proporcionar, você garante que ela não impactará negativamente nos seus atendimentos, porque conhecerá suas características e as utilizará ao seu favor.

Aprenda mais sobre a tecnologia na Medicina e seu futuro em nosso curso:

2. Invista na tecnologia

Após seus estudos, fica claro que é preciso investir em ferramentas e equipamentos tecnológicos que façam sentido para seu dia a dia, como um sistema ou uma plataforma completa de Telemedicina.

Você não precisa ter todas as últimas novidades à sua disposição. É fundamental que o orçamento seja utilizado para o que é necessário e trará resultados a curto, médio e longo prazo.

3. Capacite os profissionais da clínica

Não adianta investir em ferramentas se os profissionais não sabem como utilizá-las. É preciso separar tempo de estudo e, se necessário, um orçamento para realização de cursos.

Dessa forma, a equipe usará a tecnologia da melhor forma para otimizar a experiência dos pacientes na instituição.

4. Eduque e engaje os pacientes

Os pacientes digitais, aqueles pacientes engajados com as tecnologias e que esperam que os médicos usem elas, não precisam ser educados na maioria dos casos.

Porém, talvez você tenha um perfil de pacientes que não sabem como mostrar a prescrição eletrônica na farmácia ou não entendem como a Teleconsulta funciona.

Nesses casos, é essencial ter paciência e didática para explicar como as tecnologias impactam positivamente nos tratamentos e quais são as formas de uso.

5. Implemente melhorias constantes

Ser um adepto da Medicina Digital não é apenas investir na tecnologia uma vez. Atualização profissional e mensuração de resultados devem ser parte da sua rotina.

Se o sistema não atende mais suas necessidades, é preciso trocá-lo. Se um novo wearable está sendo utilizado pelos pacientes, é necessário estudo para entender como adicionar os dados no prontuário.

Implemente melhorias constantes na sua instituição e você nunca deixará de ser uma referência, mesmo com o avanço da tecnologia. 🙂

Está gostando do conteúdo? Inscreva-se gratuitamente na nossa newsletter para receber mais artigos como este em seu e-mail:

3 principais discussões da Medicina Digital

Como fica a segurança dos dados na Medicina Digital?

Na área da saúde, as informações sempre foram tratadas com sigilo e segurança, mesmo antes da chegada da LGPD. Ao mesmo tempo que a tecnologia traz mais proteção, também há novos riscos.

Os dados de saúde do paciente, que são considerados pessoais e sigilosos, sempre devem ser armazenados em sistemas com altas medidas de segurança, de preferência na nuvem.

Os sistemas armazenados na nuvem criptografam os dados trafegados, ou seja, mesmo que haja uma tentativa de invasão de hackers, eles não conseguirão ler as informações.

Além disso, a nuvem permite o acesso de qualquer lugar, por meio do seu login e senha exclusivos, o que facilita a prática da Telemedicina.

Embora os avanços digitais tragam novas formas de “roubar as informações”, se você seguir as normas do CFM e contar com uma empresa comprometida com a segurança dos dados, não há motivo para preocupação.

Como a Medicina Digital impacta o futuro da saúde?

Não é segredo que os pacientes estão cada vez mais exigentes em relação aos médicos e serviços de saúde. Eles esperam um atendimento personalizado que conte com o apoio de tecnologias.

A necessidade de se adaptar aos avanços tecnológicos não é algo que vem apenas dos pacientes, mas do próprio sistema de saúde. É preciso reduzir custos e aumentar a eficiência dos atendimentos a cada ano.

Porém, diferente do que muitos pensam, a tecnologia não vai substituir os profissionais de saúde. Os especialistas que dominam a tecnologia vão substituir aqueles que não se adaptaram.

O futuro da saúde será influenciado pelos avanços tecnológicos, mas se você buscar atualização profissional e investir nas ferramentas certas, só benefícios virão para sua carreira.

A Medicina Digital pode afastar médicos e pacientes?

É inegável que, se um médico passar a olhar apenas para a tela do computador e não buscar conexão com o paciente, a tecnologia pode distanciar.

Mas não é a tecnologia em si que afasta ou não os profissionais de saúde e pacientes, mas a forma como ela é utilizada. Se você usar a tecnologia para ter mais tempo para conversar com o paciente, ela se aproximará.

Tudo depende de como o especialista utilizará a Medicina Digital. Ao seguir as normas de seu Conselho, a ética de sua profissão e priorizar a experiência do paciente acima de tudo, não há erros. 

Neste artigo você aprendeu o que é a Medicina Digital, suas principais vantagens, formas de usar e discussões em volta dessa área. Espero que tenha gostado!

Gostou deste conteúdo?

Junte-se a mais de 70 mil profissionais de saúde e não perca eBooks, planilhas, dicas e guias exclusivos que vão ajudar na gestão da sua clínica.

Quero receber conteúdos
Sair da versão mobile