COVID-19: como reduzir o impacto financeiro na saúde?

COVID-19: como reduzir o impacto financeiro na saúde?

Yasmim Mayumi Gestão da Clínica Leave a Comment

Leia em 6 min.

A pandemia da COVID-19 provocou uma enorme crise no setor médico. Para os profissionais conseguirem reduzir o impacto financeiro na saúde, antes de tudo, é necessário aprofundar os conhecimentos em gestão financeira.

A verdade é que boa parte dos médicos não têm conhecimento sobre suas próprias finanças. Por isso, muitas vezes, seus orçamentos financeiros ficam no vermelho. 

Quanto custa cada atendimento? Quantos gastos estão envolvidos em um procedimento? Seu consultório gera lucro ou prejuízo?

Muitos não sabem responder esses questionamentos. Por isso, é importante lembrar que além de cuidar dos pacientes, os médicos que possuem seus próprios consultórios também são empreendedores.

O livro Finanças no Consultório: Como Maximizar os Resultados do Dr. Francinaldo Lobato Gomes, neurocirurgião e escritor da coluna de investimentos da revista DOC, aborda todos esses pontos.

“Assim, o profissional da saúde necessita adquirir conhecimento que extrapole sua área de atuação; conhecimento sobre finanças pessoais, gestão, contabilidade e administração.” 

Em seus relatos, o especialista em gestão financeira na área da saúde também afirma que os médicos precisam, cada vez mais, contar com a ajuda de ferramentas eficientes de controle financeiro.

Um software médico para gestão de clínicas e consultórios, por exemplo, permite que os profissionais de saúde mantenham sua lucratividade e sustentabilidade, sem o risco de serem engolidos pelo mercado.

Porém, como é possível reduzir o impacto financeiro na saúde provocado pela COVID-19? Como os médicos empreendedores podem sair desta crise da melhor forma?

Continue a leitura e descubra alguns passos que podem fazer toda a diferença no seu planejamento financeiro.

5 dicas práticas para reduzir o impacto financeiro na saúde causado pela COVID-19

Em março de 2020, a OMS decretou oficialmente a pandemia do SARS-CoV-2, conhecido popularmente como “novo coronavírus”, causador da doença COVID-19.

Desde então, todo o setor médico foi afetado intensamente, como a superlotação do sistema de saúde, e fechamentos temporários de clínicas e consultórios médicos para atendimentos não emergenciais.

A pandemia evidenciou a ausência de preparo para o atendimento à distância no Brasil. Afinal, como os médicos sabem, a própria Telemedicina ainda não era oficialmente regulamentada.

Por isso, a maioria dos empreendimentos dos profissionais de saúde sofreram grandes impactos financeiros, de forma negativa.

Para te ajudar neste momento de incertezas, separamos 5 dicas práticas que podem te ajudar e reduzir o impacto financeiro na saúde causado pela COVID-19.

Veja a seguir quais são elas.

1. Obtenha uma Teleconsulta

Você sabe como atender seus pacientes à distância de forma segura e eficiente?

Uma das principais razões da crise financeira dos consultórios por conta da pandemia, é o fato do principal ativo do negócio – as consultas – ter diminuído. 

Uma das formas mais eficientes de manter sua rentabilidade em qualquer momento, principalmente em situações de distanciamento social, é por meio da Teleconsulta

Uma funcionalidade de Teleconsulta permite que você atenda pacientes de qualquer lugar, sempre que necessário, até mesmo em situações de emergência. 

Além de garantir que seus atendimentos continuem, você também oferece mais segurança para seus pacientes, que não perderão seu acompanhamento médico. 

É claro que a Teleconsulta não contempla o exame físico. 

Porém, ela funciona perfeitamente para outros tipos de atendimentos, como consultas de retorno, atendimentos de acompanhamento, primeiras consultas para algumas especialidades, entre outros.

Veja o depoimento da Dra. Carolina, uma dermatologista que adquiriu a Teleconsulta da iClinic durante a pandemia:

“Às vezes o paciente que vai na consulta presencial está tão ansioso ou se sente tão intimidado, que termina não abordando muitas coisas. Na Telemedicina, você está disponível exclusivamente para o paciente, que está na casa dele, em um ambiente seguro, então ele explora mais as queixas, fala mais conscientemente dos seus problemas. “

É importante enfatizar que a sua Teleconsulta deve suprir todas as suas necessidades, e cumprir as medidas de segurança de dados necessárias, como uma integração com o prontuário eletrônico do paciente.

Por isso, busque um software médico especializado em gestão de clínicas e consultórios. Assim, além de adquirir a Teleconsulta, você também obtém funcionalidades como controle financeiro, agenda e marketing.

Conheça a Teleconsulta iClinic, a ferramenta utilizada pela Dra. Carolina no depoimento citado acima:

Teleconsulta iClinic: atenda seus pacientes à distância de forma segura

2. Mantenha contato com seus pacientes

A crise de COVID-19 afeta todas as pessoas de maneiras diferentes. 

É provável que muitos pacientes estejam cortando gastos, ou se sentindo inseguros para realizarem atendimentos presenciais, mesmo quando necessário.

Pensando nisso, manter contato com os pacientes durante este período, seja por e-mail marketing ou mensagens, pode ser uma prática que trará um ótimo retorno no futuro.

Imagine que um paciente tenha desmarcado uma consulta de acompanhamento por conta do distanciamento social. Ele está recebendo milhares de informações sobre a COVID-19, e não sabe em qual confiar.

De repente, ele recebe um e-mail explicativo do seu médico, com tudo que ele precisa saber sobre a pandemia, como se cuidar, e ainda descobre que atendimentos à distância estão sendo feitos. 

Mesmo que ele não marque uma consulta, o paciente se sentirá cuidado, pois sabe que seu médico não se esqueceu dele, mesmo em um período tão conturbado.

Além de fidelizar pacientes, você também garante mais estabilidade financeira de uma maneira simples e humanizada.

Dê uma olhada em uma parte do depoimento do Dr. Keny, um profissional de saúde que melhorou sua comunicação com os pacientes por meio do iClinic Marketing.

“Nós lançamos campanhas sobre o coronavírus e uma campanha sobre encerramento dos atendimentos na clínica. Atendemos cerca de 60 a 70 pacientes por dia, é um volume muito grande, imagina eu enviando mensagem pra todo mundo manualmente. É uma forma de facilitar essa comunicação com os pacientes.”

Conheça mais sobre o iClinic Marketing clicando na imagem abaixo:

iClinic Marketing: a nova revolução do seu atendimento médico

3. Pesquise as novas leis de medidas financeiras implementadas durante a pandemia

Quais medidas judiciais estão sendo tomadas para reduzir a crise financeira provocada pela COVID-19? 

Diversas leis e portarias estão sendo autorizadas de forma constante para diminuir o impacto financeiro da pandemia. Entre as principais, podemos citar:

  • Resolução CGSN n° 154: prorroga os prazos de pagamento de tributos no âmbito do Simples Nacional, visando auxiliar as micro e pequenas empresas, como consultórios médicos;
  • Portaria n° 14.816: A RPPS (Regimes Próprias de Previdência Social) é autorizada a suspender pagamentos de contribuições previdenciárias patronais e prestações de acordo com parcelamento;.
  • Auxílio emergencial: auxílio financeiro destinado aos trabalhadores informais, desempregados, autônomos e MEI (microempreendedores individuais).

Como essas medidas são divulgadas de forma contínua, é importante estar atento para verificar quais delas podem ser benéficas para a sua realidade.

4. Utilize suas reservas financeiras de forma consciente

O primeiro instituto ao se deparar com uma crise econômica é guardar o máximo de recursos possíveis. 

De fato, cortar despesas desnecessárias e negociar pagamentos são ótimas práticas, mas são nessas situações de emergência que as reservas financeiras podem – e devem – ser utilizadas.

Se você elaborou um bom planejamento financeiro, seu consultório conta com um capital de giro, assim como investimentos e reservas emergenciais.

Agora é a hora de avaliar como elas podem ser aplicadas da melhor forma. Após negociar todas as suas despesas, você deve pagar o que for necessário, e se preparar para os próximos meses.

O ideal é que você pense no cenário mais realista possível, mas também se prepare para o pior. 

Porém, é fundamental lembrar que existe uma época pós-pandemia, na qual a economia irá se recuperar, mesmo que lentamente, e seus pacientes precisarão dos seus cuidados.

Por isso, não fique receoso em utilizar suas reservas financeiras, caso seja necessário. 

Se você tem receios em lidar com as suas finanças no momento, não hesite em contar com a ajuda de especialistas. Pode parecer um investimento grande agora, mas algumas orientações podem salvar seu consultório durante uma crise.

Na página de parceiros da iClinic você pode encontrar consultores especializados em soluções financeiras para a área da saúde. 😉

5. Aprenda mais sobre gestão financeira

Como algumas empresas conseguiram se manter financeiramente estável durante a pandemia?

A resposta é simples: sua equipe tinha um bom conhecimento sobre gestão financeira, ou contava com a ajuda de especialistas na área

A verdade é que a principal forma de se preparar para crises, é por meio da educação médica, e você como profissional de saúde sabe disso melhor do que ninguém.

Apesar de assuntos como planejamento tributário, impostos e investimentos não estarem relacionados na vida acadêmica da Medicina, eles são essenciais para que você possa administrar seu consultório.

Para aprender mais sobre gestão financeira, faça nosso curso de Finanças para médicos:

Tenha uma gestão financeira de excelência com o Curso de Finanças para Médicos!

Gostou do conteúdo? Deixe um comentário aqui embaixo e compartilhe com seus amigos!


Sobre o autor

Yasmim Mayumi

Especialista em Marketing de Conteúdo e estudante de Letras na Barão de Mauá em Ribeirão Preto.