Boas práticas para um site médico de sucesso!

7 boas práticas para um site médico de sucesso

Yasmim Mayumi Marketing Médico

Leia em 8 min.

Última atualização em 15/10/2021 por Yasmim Mayumi

Ao seguir as boas práticas para ter um site médico de sucesso, é possível atrair pacientes, fidelizar quem já conhece seu serviço e atrair médicos que desejam alugar salas.

Clique no player abaixo para escutar o áudio do conteúdo:

Os administradores de clínicas sabem a importância que o marketing possui para garantir atração e retenção de clientes, sejam eles clientes internos, como os funcionários, ou clientes externos, os pacientes.

Hoje em dia, não ter um site médico significa estar ausente no mundo digital e não mostrar seu serviço para aqueles que precisam de ajuda. Também significa ficar atrás da concorrência.

Segundo o relatório de 2020 da Netcraft, o mundo tem cerca de 1,2 bilhões de sites. A Hubspot também afirma que 90% dos usuários utilizam a internet para investir e encontrar serviços.

Para assegurar que o seu site será encontrado, é fundamental seguir as boas práticas deste artigo. Acompanhe!

Guia de boas práticas para um site médico de sucesso

Antes de listar as 7 boas práticas que todo profissional deve seguir, é preciso enfatizar a importância de conhecer os limites do marketing médico.

Ao conhecer as regras do marketing para a comunidade médica, você vai estruturar sua estratégia sem cometer nenhum erro ou pôr em risco sua imagem profissional.

A resolução 1.974/2011 do CFM, por exemplo, afirma que o site deve conter:

  • Nome do profissional;
  • Especialidade e/ou área de atuação, quando registrada no Conselho Regional de Medicina;
  • Número da inscrição no Conselho Regional de Medicina;
  • Número de registro de qualificação de especialista (RQE), se o for.

Se você conhece o código de publicidade médica do CFM, dê uma olhada nestas boas práticas e comece a estruturar seu site agora mesmo. Boa leitura!

1. Pense na usabilidade e no UX (User Experience)

Quando falamos de usabilidade e UX (experiência do usuário, em português), estamos pensando sobre como tornar o site agradável e fácil de usar para os pacientes.

O conceito de usabilidade foca na forma como o usuário usa o site de forma geral. 

Ou seja, é preciso garantir que a plataforma esteja intuitiva e fazer questionamentos como:

  • Qual é a jornada que o paciente vai fazer dentro do site? O que ele precisa ver e quais são os caminhos para chegar nas informações?
  • O site vai ser em formato One Page (todo o conteúdo disponível em apenas uma página) ou é preciso clicar em seções para chegar a um determinado serviço?
  • O paciente consegue realizar uma tarefa simples, como agendar um atendimento, de forma rápida?
  • Estou adicionando botões e CTAS (calls to action ou chamadas de ação) nos locais adequados?
  • A página está confusa ou está intuitiva? O layout é atrativo para um visitante?

Ao pensar nesses critérios, você consegue facilitar o caminho que o paciente realizará no site. 

Assim, ao evitar que a usabilidade seja complexa, você também garante que os pacientes e demais profissionais não vão desistir de usar sua plataforma.

O conceito de UX é mais abrangente que o de usabilidade, porque se refere a toda experiência do paciente, não apenas durante o uso do site.

Imagine que uma dermatologista tenha realizado uma pesquisa com seus pacientes e traçado uma buyer persona (perfil semi-fictício do cliente ideal).

Ao estruturar seu site médico, mapeou todos os problemas da sua buyer persona e como seus serviços podem ajudar a solucioná-los.

Para garantir uma experiência incrível, além de criar seu site seguindo as boas práticas, também se preocupou em diversificar seus canais de contato e criou Instagram, WhatsApp e Telegram profissionais.

Como seus pacientes usam todas essas redes sociais e gostam de acompanhar os conteúdos da dermatologista, ficaram ainda mais satisfeitos com o serviço médico.

Viu como o UX funciona na prática? Para conseguir definir como seu site irá funcionar, é essencial pensar nesses critérios e construir uma marca para sua clínica

Com uma identidade visual, será mais fácil tomar decisões em relação ao site. O formato One Page, citado anteriormente, costuma ser amplamente utilizado por profissionais de saúde.

Veja um exemplo:

Viu como o site é fácil de usar e é atrativo para os pacientes? 🙂

2. Dê destaque para seus serviços médicos

Qual é a sua especialidade? Quais serviços médicos são feitos na clínica? Exames são realizados no estabelecimento? Planos de saúde são aceitos?

Os pacientes podem ter muitas dúvidas como essas, e seu site precisa responder claramente todas elas. Por isso, é essencial ter uma seção de destaque para seus serviços e um FAQ.

FAQ significa frequently asked questions, em português, dúvidas mais frequentes. Dê uma olhada em um exemplo de FAQ:

FAQ: boa prática de um site médico de sucesso

Com os destaques certos, você consegue responder os questionamentos dos pacientes e aumentar o número de agendamentos da clínica.

3. Pense primeiro no mobile

Mobile representa qualquer dispositivo que possa ser segurado e operado com as mãos. Ou seja, você pode andar livremente ao mesmo tempo que usa o aparelho.

Smartphones, tablets, iPads, todos eles são exemplos de dispositivos mobile

Atualmente, a maioria das pessoas acessa a internet pelos celulares. O que significa que o mobile provavelmente é a forma de acesso mais utilizada pelos seus pacientes.

Portanto, não adianta criar um site pensando apenas no desktop (computador). Você precisa garantir que a usabilidade será excelente em smartphones.

Senão, o Google pode deixar de ranquear o seu site e ele não será encontrado facilmente pelos pacientes. 

Para deixar seu site mobile friendly, você pode contar com a ajuda de desenvolvedores ou, caso seu site esteja no WordPress, usar plugins (WPtouch, AMP for WB) que fazem esse trabalho automaticamente.

4. Adicione CTAs (Calls to Action) para seu agendamento online e redes sociais

Todo mundo já viu um CTA na internet. Um botão de “Saiba mais” ou “Teste gratuitamente” é um exemplo comum de chamada para ação do marketing digital.

Para seguir as regras do marketing médico, não é possível anunciar textos como “teste grátis” ou descontos, mas você pode – e deve – adicionar CTAs para seu agendamento online e redes sociais.

O agendamento online permite que seus pacientes marquem consultas a qualquer hora, de qualquer lugar, seja pelo seu site ou plataformas como o AgendarConsulta.

Ao colocar essa chamada em seu site, você vai notar que ao longo do tempo, mais pacientes começarão a agendar consultas pela internet, e seus resultados serão ainda melhores.

Conheça mais sobre o agendamento online no nosso eBook gratuito sobre o AgendarConsulta:

Guia gratuito do AgendarConsulta: aumente sua presença online e conecte-se com seus pacientes

Ao deixar botões que incentivam o compartilhamento do conteúdo ou direcionam os pacientes para suas redes sociais, você também contribui para o UX e seu fortalecimento como autoridade digital.

Não é recomendado colocar CTAs e banners em excesso, por isso, entenda quais decisões você quer que o paciente tome em seu site e as priorize.

5. Crie um conteúdo original e de qualidade

Quais conteúdos podem solucionar as dúvidas dos seus pacientes? 

Um erro comum que diversos profissionais de saúde cometem ao produzir conteúdos para o site é pensar apenas no que gostam ou acham interessante.

O problema é que eles deixam de pensar no paciente e não conseguem entregar valor. 

Vamos supor que você seja um médico clínico e entusiasta sobre biologia celular e molecular. É uma autoridade no assunto e já produziu diversos artigos científicos.

Porém, seus pacientes têm dúvidas básicas como o que é pressão alta, como combatê-la, o que fazer com o hábito do tabagismo, quais exames precisam ser feitos todo ano, entre outros questionamentos.

O ideal é começar a produzir conteúdos com foco nessas dores dos pacientes, e não por aquilo que mais gosta. 

É claro que você pode escrever um conteúdo de sua preferência e publicar no site, mas é imprescindível priorizar aquilo que, de fato, vai ajudar o paciente.

Além disso, é fundamental produzir textos originais com uma linguagem simples e objetiva, seguindo os mesmos princípios do atendimento humanizado.

Muitos profissionais optam por criar um blog, disponível em uma seção do site médico, ou criam um subdomínio (extensão do domínio principal que direciona o usuário para um endereço diferente).

Vamos entender mais sobre domínios e subdomínios no próximo tópico. 😉

6. Estude sobre SEO

SEO (Search Engine Optimization), em português, otimização para mecanismos de busca, significa todo o conjunto de estratégias que visam melhorar o ranqueamento de uma página.

Normalmente, ao falar de SEO, focamos no Google por ser o mecanismo de busca mais usado do mundo, mas também é possível realizar o SEO para outras plataformas, como o Youtube e o Bing.

É impossível ter um site médico de sucesso sem se preocupar com SEO, porque é a partir dos resultados orgânicos (sem anúncio/patrocínio) que os pacientes vão te reconhecer como uma autoridade online.

O ideal é que você estude sobre os fatores de ranqueamento do Google para entender como o SEO funciona na prática.

Para não ficar perdido, dê uma olhada nos termos que vão aparecer durante seus estudos:

  • Domínio, subdomínio e subdiretório: um domínio é o nome de identificação de um site, um endereço eletrônico, como iclinic.com.br. Um subdomínio é um endereço que faz parte do domínio principal, mas tem um foco diferente, como blog.iclinic.com.br. Um subdiretório é uma pasta criada a partir do site principal, como iclinic.com.br/funcionalidades/agenda-medica/;
  • HTTPS: é o protocolo de transferência de hipertexto seguro. Ele é uma medida de segurança utilizada para garantir que os dados fornecidos no site sejam criptografados e não possam ser lidos por pessoas não autorizadas;
  • Link Building: conjunto de estratégias que busca criar uma rede de links para uma página específica, como seu site, aumentando o tráfego e fortalecendo sua autoridade para os mecanismos de busca. Os links podem ser internos (entre conteúdos do seu blog, por exemplo) ou externos de outros sites, também conhecidos como backlinks e inbound links;
  • Escaneabilidade: técnica focada em otimizar o conteúdo para facilitar a leitura do usuário por meio de recursos como parágrafos curtos, listas, imagens e negrito.

Muitos termos técnicos, não concorda? Portanto, não deixe de estudar mais sobre SEO e coloque seu site médico no primeiro lugar da página de resultados do Google.

Assista ao vídeo abaixo para conhecer outras estratégias de SEO:

7. Acompanhe as principais métricas do site

As métricas são medidas quantificáveis utilizadas para analisar o resultado de uma estratégia ou ação. Elas também são conhecidas como medidas de desempenho.

Existem diversas métricas que você pode acompanhar para entender os resultados dos seus sites. O Google Analytics possui estas como principais:

  • Sessões: uma sessão é o período em que um usuário fica ativamente engajado com seu site. Todos os dados de uso (exibições de tela, eventos) são associados a uma sessão;
  • Usuários: visitantes que iniciaram pelo menos uma sessão durante determinado o período que está sendo analisado;
  • Visualizações de página: número total de páginas visualizadas. É comum que esse número seja maior que o de usuários, porque um único usuário pode olhar diversas páginas do site;
  • Taxa de rejeição: porcentagem de sessões de uma única página nas quais não foram registradas interações com ela. Uma sessão rejeitada tem duração de 0 segundo;
  • Taxa de saída: porcentagem de saídas do site que ocorreram a partir de uma determinada página ou de um grupo de páginas;
  • Origem do tráfego: mostra por quais canais os usuários estão chegando ao site, como Google, anúncios pagos, e-mail, redes sociais, entre outros.

Existem outras plataformas de análise de resultados, como o SEMRUSH, que cria relatórios automáticos de análise de domínio entre o seu site e os concorrentes, auditoria de SEO e acompanhamento de ranqueamento.

Mas para quem está começando no marketing digital e ainda não tem verba para pagar por sites como o SEMRUSH, o Google Analytics é uma opção gratuita e excelente que todos os profissionais usam.

Uma dica de ouro que posso te dar é: não tente acompanhar todas as métricas o tempo todo. Ao tentar fazer tudo, muitas vezes, acabamos não fazendo nada.

Analise quais métricas são importantes para o seu negócio, quais precisam ser vistas semanalmente, e quais podem ser vistas em um intervalo de tempo maior, como mensalmente.

Se o seu site ainda não começou a ser construído, considere hospedá-lo no WordPress, o melhor sistema de gestão de conteúdo para internet. Ele tem uma versão gratuita usada por muitos sites de sucesso.

Você pode usar os templates gratuitos do Colorlib para iniciar seu site, ou contar com uma agência de marketing especializada na área da saúde para te ajudar com esse serviço.

Baixe gratuitamente nosso eBook sobre como colocar seu consultório na internet para conhecer mais dicas de marketing digital:

como criar um site para consultorio

Essas são as 7 boas práticas para um site médico de sucesso! Espero que tenha aprendido como começar sua jornada e, caso tenha alguma dúvida, é só deixar aqui embaixo nos comentários.


Sobre o autor

Yasmim Mayumi

Especialista em Marketing de Conteúdo e produtora de conteúdo na iClinic. Graduanda em Letras - Licenciatura em Inglês e Português na Barão de Mauá em Ribeirão Preto.