Saúde financeira da clínica: 5 dicas que irão melhorá-la

Saúde financeira da clínica: 5 dicas que irão melhorá-la

Dra. Luciana Lessa Gestão da Clínica Leave a Comment

Leia em 3 min.

Manter a saúde financeira da clínica é essencial para qualquer médico empreendedor que administra seu próprio negócio. Por isso, reunimos dicas exclusivas de especialistas em finanças para te ajudar.

A gestão financeira é um aspecto fundamental para qualquer consultório de sucesso, apesar de muitos profissionais cometerem o erro comum de deixar as atividades financeiras de lado.

No começo, o controle financeiro pode ser um processo complexo e extenso, principalmente para os médicos que nunca tiveram contato com planejamento financeiro. 

Porém, para garantir que você continuará atendendo seus pacientes da melhor forma, é necessário começar a pensar na saúde financeira da sua clínica.

Continue a leitura e descubra como iniciar esse processo sem cometer os erros mais comuns. 

5 dicas para melhorar a saúde financeira da clínica

Veja a seguir quais são as dicas exclusivas dos especialistas em finanças da Medicinae para a sua clínica.;)

1. Organize-se

A maior dica que podemos dar é a organização financeira da sua clínica!

Espero que ao organizar suas finanças, tenha descoberto que estava com reservas suficientes para enfrentar a diminuição de demanda que teve na pandemia, mesmo que tenha perdido excelentes oportunidades de investir.

Faça da organização um hábito, incorpore-o à sua rotina. Com a análise diária desses dados, você consegue perceber rapidamente pequenas variações no seu resultado.

Existem plataformas como a Medicinae, que é super fácil de ser utilizada, segura e automatizada para o controle dos seus recebimentos de planos de saúde e de cartões de crédito.

Então tenha medo da organização das suas finanças! O importante é começar.

2. Reveja seus custos

A revisão de todos seus custos, sejam eles fixos e variáveis, também deve ser uma rotina. Mantenha em mente a avaliação do custo fixo semestralmente e do custo variável mensalmente.

Se você tiver seus custos mapeados, consegue ver claramente no mês onde é o seu ralo escoador de dinheiro. Dessa forma você poderá criar estratégias específicas para esses gastos.

Vou te dar um exemplo: todo mês você compra material descartável para atendimento. E percebe que a demanda e o gasto com essas compras aumentam mês a mês.

Veja qual é o número médio de compra desses materiais nos últimos 3 meses e faça uma compra maior e trimestral.

Assim, você pode negociar descontos maiores por conta do volume e se protege de possíveis oscilações nos valores destes insumos, gerando mais economia.

3. Aumente seus ganhos

Para ter um aumento de ganho real é imprescindível você mapear e combater todas suas fontes de perda. O dinheiro mal gasto é uma erva daninha no seu consultório.

No caso de uma clínica ou consultório, temos dois caminhos a serem seguidos. O primeiro é o aumento do número de pacientes e o segundo é o aumento do ticket médio, o valor que cada paciente – em média – deixa na sua clínica.

O primeiro caso é indicado para todas as especialidades. Existem ferramentas de busca na internet que aumentam a exposição digital do seu consultório.

E esse tipo de ação pode ser aplicada para consultas particulares ou para atrair pacientes de um convênio específico que você tenha.

Saiba qual é o plano que melhor te remunera e traga esses pacientes.

A segunda estratégia é aplicada a especialidades como Dermatologia e Cirurgia Plástica, pois o incremental ao ticket médio depende exclusivamente da indicação, vontade e disponibilidade financeira de cada paciente.

Nessa estratégia, o parcelamento dos procedimentos é fundamental. Entre os clientes da Medicinae, por exemplo, há um aumento de até 35% quando a clínica aceita parcelamento até 6 vezes!

4. Crie um fundo de reserva

Um fluxo de caixa organizado ajuda muita ao seu consultório ter resultados positivos, mas ter um fundo reserva é o segundo passo para ter tranquilidade na condução da sua clínica.

Temos que pensar que, assim como nós, um CNPJ também pode sofrer com imprevistos. Uma programação para pagamento do 13º ou uma demissão não programada são exemplos para o uso do fundo.

5. Invista

Aqui vamos falar de investimento na sua carreira ou na sua clínica.

E como eu consigo enxergar que aquela dívida assumida é um investimento ou um endividamento?

A primeira coisa a você colocar no lápis é o retorno sobre aquele investimento. No jargão financeiro, o ROI.

Na nossa prática, imagine que investir é como uma vacina e o resultado é a soroconversão. A imunização traz ganhos duradouros e eles superam em muito o custo da vacina, mostrando que o retorno financeiro é positivo.

Vou te dar um outro exemplo que vai te ajudar bem! Imagine que você comprou um equipamento novo para sua clínica, que na sua expectativa aumentará o faturamento em 20%.

Após a incorporação desta nova tecnologia o ROI é positivo, as parcelas daquele aparelho não são uma dívida e sim um investimento.

E lembre-se que todo gasto com formação e atualização profissional é um investimento, então use-o! Ache um nicho de mercado no qual você seja relevante e traga fluxo de pacientes por seu currículo.

O mundo está na internet, saiba usar a sua especialização ao seu favor como um chamariz de clientes.

Espero que você tenha gostado das dicas, e para se aprofundar um pouquinho mais, siga o blog da Medicinae Solutions e inscreva-se na newsletter da iClinic!


Sobre o autor

Dra. Luciana Lessa

COO da Medicinae Solutions, a única plataforma de antecipação de faturas médicas do Brasil. Graduada em Medicina pela Universidade Federal Fluminense (UFF), Cirurgiã Geral, MBA de Executivo em Saúde pela FGV, Health Management pela UPENN, Design Thinking na D.School - Stanford, possui mais de quinze anos de experiência no setor.