Ícone do site Blog iClinic – Dicas para gestão de clínicas e consultórios!

Como a reforma do imposto de renda afeta a inflação médica

Como a reforma do imposto de renda afeta a inflação médica
Leia em 4 min.

A reforma do imposto de renda pode aumentar consideravelmente o preço dos medicamentos, diminuir a acessibilidade à saúde da população e agravar a inflação médica.

A reforma do imposto  de renda conferida na Câmara dos Deputados,  desenvolvida  a partir da PLL 2337/2021, prevê o corte das isenções de PIS- Cofins (Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social).

Essas isenções consistem em incentivos fiscais concebidos para diversos setores, como o setor da saúde na qual engloba: medicamentos,  produtos químicos e farmacêuticos.

Essa reforma pode impactar uma série de pessoas e processos no contexto médico hospitalar. Descubra como a seguir.

Inflação médica: impacto do imposto de renda no preço de medicamentos

Segundo a Sindusfarma, o fim desse incentivo pode aumentar o preço dos medicamentos em até 12%.

Com o aumento dos custos dos medicamentos, aumenta-se o desafio dos gestores de administrar as instituições de saúde para mantê-las competitivas no mercado.

Esse cenário aumenta o preço dos serviços prestados ao paciente e diminui o acesso à saúde à população no geral.

No sistema público, o impacto é visto de forma direta na quantidade de pessoas atendidas pelo sistema, pois quanto maior for o gasto medicamentos e maior a média de permanência na instituição, menor a capacidade de atendimento.

Ao se tratar do sistema privado, a população também é afetada diretamente de forma negativa pela reforma tributária.

Com o aumento do preço direcionado pelo tratamento, a quantidade de pessoas que têm condições financeiras para optar por essa modalidade pode ser menor.

Tudo isso contribui para o aumento do desenvolvimento de eventos adversos como doenças e um possível impacto na gestão da qualidade de vida da população brasileira.

Além de afetar a saúde das pessoas, isso contribui para o aumento da inflação médica.

Agora, conheça demais fatores que contribuem para o aumento da inflação médica.

Outros fatores que influenciam o aumento da inflação médica

Segundo a pesquisa realizada pelo Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS), há uma projeção de que, em 2030, os gastos das operadoras de planos de saúde com internações será na média de R$ 383,5 bilhões.

De acordo com os dados disponibilizados pelo IESS, cerca de 20% dos gastos de saúde suplementar são desnecessários.

Esses gastos podem ser decorrentes da realização de exames sem necessidade, prescrição de medicamentos e até o direcionamento de tratamentos inadequados.

Também podem ser decorrentes da não realização de processos de auditoria em saúde na instituição.

Ainda, a falta de interoperabilidade dentro da instituição, ou seja, a pouca integração entre os sistemas, pode causar ineficiência nos processos, inconsistências nos dados e gerar custos extras.

É um fato que, quanto menos acessíveis são os serviços de saúde, maior é a tendência da diminuição da qualidade de vida da população brasileira como um todo.

Todo esse contexto de gestão em saúde se agrava, se for levado em consideração que os altos custos são provenientes dos tratamentos realizados que não são adequados aos quadros dos pacientes.

O que gera um desfecho não satisfatório e pode trazer consequências irreversíveis para a segurança e para a saúde do beneficiário.

Ainda, esse desafio enfrentado por muitos gestores em saúde, contribui para o aumento do índice de sinistralidade, o que aumenta as barreiras para as instituições de saúde se manterem competitivas no mercado.

Ao analisar o modelo de remuneração das instituições de saúde, pode-se observar que a forma de pagar pelo atendimento prestado ao internado impacta nos custos de internação.

Pois, o modelo mais utilizado, o fee for service, não incentiva a realização de tratamentos baseado em valor, mas sim em quantidade de serviços prestados.

O papel do médico no contexto do imposto de renda e seu impacto na inflação médica

Nesse cenário, algumas práticas são adotadas por médicos para minimizar o impacto dos custos de internação no setor.

Desde pequenas alterações a grandes mudanças nos processos, descubra as principais alternativas amplamente utilizadas.

1. Direcionar recursos de forma inteligente

É fundamental  direcionar tratamentos e procedimentos de forma mais otimizada possível, de acordo com a real necessidade do paciente e sem que haja o uso desnecessário de recursos valiosos como medicamentos.

Isso é possível a partir de um estudo constante.

Quanto maior o entendimento da situação clínica do paciente, maiores as chances de proporcionar um cuidado assertivo, isso é possível por meio de estudo e atualização constante do médico.

Logo, a busca por especializações, cursos livres, experiências práticas e outros formatos de aprendizado podem fazer a diferença no atendimento a ser direcionado.

E muito além do que estudar Medicina, o estudo de técnicas e práticas para aumentar a adesão do paciente ao tratamento faz toda a diferença na saúde clínica do mesmo.

2. Adotar tecnologias para melhorar os processos

Para mitigar as consequências desse cenário, os médicos estão utilizando soluções tecnológicas que proporcionam a tomada de decisão estratégica embasada em indicadores.

Na área clínica , foi criado o software completo para médicos, o iClinic, que permite a gestão centralizada e otimizada do seu consultório, para proporcionar facilidade e eficiência no atendimento.

Na área de auditoria, foi criado o Carefy, o sistema completo de gestão da internação que gera mais de 130% de eficiência do time e diminui em até 40% a média de permanência.

O sistema também minimiza custos desnecessários da operação e pode gerar um ROI (Retorno sobre o Investimento) de até 100 vezes em 6 meses de uso da plataforma.

Essas tecnologias foram criadas para garantir que a experiência do paciente ocorra de modo satisfatório e que o ambiente tenha capacidade para atender com qualidade mais pessoas.

Neste conteúdo você aprendeu como a reforma do imposto de renda impacta a inflação médica e qual é o papel do médico nesse cenário.

Espero que o artigo tenha sido útil!

Gostou deste conteúdo?

Junte-se a mais de 70 mil profissionais de saúde e não perca eBooks, planilhas, dicas e guias exclusivos que vão ajudar na gestão da sua clínica.

Quero receber conteúdos
Sair da versão mobile