Adesão dos pacientes ao tratamento

Adesão dos pacientes ao tratamento: importância das orientações

Clara Bittencourt Gestão da Clínica Deixe um comentário

Leia em 3 min.

Última atualização em 26/08/2021 por Yasmim Mayumi

Para uma adesão ao tratamento eficiente, o médico deve seguir alguns caminhos e ganhar a confiança do paciente que, muitas vezes, não recebe bem o diagnóstico e reluta em fazer o acompanhamento adequado.

Prefere escutar ao invés de ler? Clique no player para escutar nossa gravação:

Em nosso último texto sobre o tema, citamos três recursos para adesão dos pacientes ao tratamento. Relembre quais são eles:

  1. Orientações ao paciente
  2. Checklist
  3. Preço dos medicamentos

Neste conteúdo vamos abordar mais detalhadamente o ponto sobre as orientações e como elas podem ajudar o paciente.

Antes, é importante compreender que a não adesão ao tratamento pode acontecer por vários motivos. Uma matéria da BBC News Brasil mostra que a desigualdade social pode ser um desses fatores:

“Você compra remédio ou comida. Às vezes, você deixa de cortar o cabelo para comer, deixa de comprar um sabonete para comer. Você deixa de tirar barba. Você sempre precisa cortar uma coisa para fazer a outra.”

Uma postura impositiva do médico diante do paciente não ajuda. Colocar uma receita na mão da pessoa, pura e simplesmente, dizendo os remédios que devem ser tomados e o que o paciente deve fazer durante a terapêutica não é suficiente.

É necessário que o profissional de saúde adote medidas educacionais.

Uma publicação feita pelo Dr. Augusto Pimazoni Netto, no portal da Sociedade Brasileira de Diabetes, fala sobre isso.

“Sem que o paciente esteja devidamente informado sobre sua doença e suficientemente motivado para aderir ao tratamento, a atitude usual do médico que apenas entrega a receita, sem nenhum suporte educacional ao paciente, certamente estará promovendo um indesejável impacto negativo sobre os índices de adesão do paciente às recomendações recebidas. A educação é o melhor remédio.”

Por isso, é fundamental que o médico estabeleça uma boa comunicação e uma relação de parceria com o paciente, para que ele confie no profissional e se sinta seguro para fazer o tratamento da forma correta.

Continue a leitura e veja algumas recomendações!

8 dicas para as orientações ao tratamento

A seguir, pontuamos algumas dicas para ajudar nas orientações, em especial quando o paciente se mostra relutante com o diagnóstico, ansioso e/ou com medo do tratamento.

  1. Usar de estratégias motivacionais, explicando os benefícios da terapêutica e como ela vai ajudar no dia a dia;
  2. Usar uma linguagem simples, didática e sem termos técnicos;
  3. Fazer o uso de serviços de Teleatendimento para um acompanhamento mais próximo e recorrente;
  4. Incentivar o paciente a usar lembretes para seguir o tratamento corretamente;
  5. Entregar as orientações por escrito, com letra legível, ou optar por inovações tecnológicas, como e-mail marketing e prescrições eletrônicas, para garantir a qualidade máxima no atendimento;
  6. Entender e respeitar as dificuldades do paciente e seu grau de instrução;
  7. Explicar etapa por etapa com calma e, se necessário, repetir as explicações;
  8. Utilizar analogias e comparações com o cotidiano do paciente.

Dê uma olhada neste trecho adaptado da Revista Brasileira de Hipertensão:

“Em um estudo qualitativo para identificar os fatores da não-adesão ao tratamento, verificou uma rede complexa de questões que englobaram desde aspectos relacionados ao medo e à imagem negativa referida pelos pacientes dos medicamentos, até à falta de esclarecimento básico sobre a doença e à insatisfação devido às poucas explicações dadas pelo médico, assim como à pouca interação entre médico e paciente.”

Pensando nisso, o ideal é que a pessoa saia da consulta entendendo quais são os riscos e benefícios do tratamento, como ele pode afetar seus hábitos e em que ocasiões pode ser interrompido, sem que isso seja uma decisão tomada sozinha pelo paciente.

recursos adesão dos pacientes ao tratamento

Uso da tecnologia na adesão ao tratamento

Como vivemos em um mundo 100% tecnológico, nada melhor do que usar as ferramentas disponíveis também na área da medicina.

Um ótimo recurso para facilitar ainda mais a comunicação com o paciente é usar um prontuário eletrônico para emitir documentos, receitas e orientações médicas

Além de garantir uma letra legível, você consegue enviar os documentos de qualquer lugar e ter uma ótima segurança de dados.

O uso de aplicativos também é uma ótima estratégia e o Whitebook, aplicativo médico mais baixado do Brasil, conta com uma categoria específica sobre orientações ao paciente, que está passando por reestruturação.

Os conteúdos estão sendo feitos no esquema pergunta e resposta para uma consulta mais rápida do profissional.

Gostou de saber mais sobre as orientações ao paciente para uma adesão de sucesso ao tratamento? Conte abaixo suas experiências sobre o assunto!


Sobre o autor

Clara Bittencourt

Formada em Jornalismo e analista de conteúdo do Whitebook, maior aplicativo brasileiro para suporte à tomada de decisão médica.