Ícone do site Blog iClinic – Dicas para gestão de clínicas e consultórios!

CID-11 e suas 7 principais mudanças

CID-11 e suas 7 principais mudanças
Leia em 4 min.

A CID-11 (Classificação Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde) é o guia de codificação padrão para as doenças.

A CID contém cerca de 55 mil códigos únicos para doenças, lesões e causas de morte. 

Essa documentação permite que os profissionais de saúde compartilhem dados ao redor do mundo em uma linguagem comum.

Segundo o depoimento de Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS, e Robert Jakob, líder da equipe de classificação de terminologias e padrões da OMS, na Organização Pan-Americana de Saúde:

“A CID […] nos permite entender muito sobre o que faz as pessoas adoecerem e morrerem e agir para evitar sofrimento e salvar vidas. Um dos mais importantes princípios desta revisão foi simplificar a estrutura de codificação e ferramentas eletrônicas. Isso permitirá que os profissionais de saúde registrem as condições de forma mais fácil.”

A Medicina evolui constantemente e o entendimento sobre as doenças também melhora com o passar dos anos, por isso, é necessário lançar novas versões da CID, como a CID-11.

Continue a leitura e descubra mais sobre as mudanças desse documento!

O que é CID?

CID significa Classificação Internacional de Doenças e é originalmente escrita na língua inglesa. É uma tabela organizada pela OMS (Organização Mundial de Saúde) para padronizar doenças, lesões e causas de morte.

A CID é considerada uma ferramenta epidemiológica que monitora a incidência e prevalência de enfermidades em países de todo o mundo.

De acordo com a OMS, o documento disponível é uma pré-visualização para que as entidades e profissionais de saúde possam conhecer a CID-11 e planejar seu uso.

Por que mudar da CID-10 para CID-11?

O CRM-ES (Conselho Regional de Medicina do Espírito Santo) afirma que a previsão é que a CID-11 entre em vigor em 1 de janeiro de 2022.

“A equipe da CID, na sede da OMS, recebeu mais de 10 mil propostas de revisão, com um grande envolvimento de profissionais da saúde, que se juntaram em reuniões colaborativas e submeteram propostas à equipe.”

A décima versão, CID-10, foi publicada em 1992. Desde a década de 90, a Medicina fez novas descobertas, elevou sua qualidade com os avanços tecnológicos, e a CID precisa contemplar esse novo cenário da saúde.

A décima primeira edição da CID possui novos capítulos, um exclusivo para a Medicina tradicional que nunca havia sido classificada na tabela, entre outras diversas melhorias que precisavam ser feitas.

É importante lembrar que a CID também é usada por operadoras de saúde cujos reembolsos dependem da codificação de doenças, bem como gestores de programas de saúde e especialistas.

7 principais mudanças da CID-11

1. Gaming disorder

Desde a década de 90, o universo dos jogos digitais cresceu e dominou o mercado atual. Praticamente toda criança, jovem e adulto consome algum tipo de jogo digital.

Assim como acontece com outras fontes de entretenimento, os jogos digitais também se tornaram um vício para algumas pessoas, e a CID-11 incluiu o gaming disorder (distúrbio em jogos eletrônicos).

A OMS define esse distúrbio como um padrão de comportamento persistente ou recorrente com uma gravidade que pode comprometer áreas de funcionamento pessoal e social.

2. Síndrome de burnout

A síndrome de burnout é outra doença adicionada à CID-11 que ganha espaço no estilo de vida moderno, relacionado ao excesso de trabalho.

Ela não entra no capítulo de transtornos mentais porque, para a OMS, a síndrome de burnout é resultado do estresse crônico gerado no local de trabalho.

Entre os principais sintomas da doença estão a falta de energia, pessimismo, diminuição de produtividade e aumento da distância mental do serviço.

Está gostando do conteúdo? Inscreva-se na nossa newsletter para não perder nenhuma novidade da saúde:

3. Resistência antimicrobiana

Diversos micro-organismos estão se tornando mais resistentes e não são mais afetados pelos antibióticos, principalmente devido ao uso excessivo desses medicamentos pela população.

Por isso, a CID-11 melhorou a definição de códigos de resistência antimicrobiana, para mapear esse problema ao redor do mundo com mais eficiência.

Esses códigos estão mais alinhados ao GLASS (Sistema Global de Vigilância da Resistência Antimicrobiana) e a CID-11 também traz uma melhoria de dados sobre segurança na assistência à saúde.

Assim, fluxos de trabalho com falhas de segurança podem ser identificados e reduzidos.

4. Autismo

A CID-11 facilita o diagnóstico de autismo e evita erros comuns ao reunir todos os transtornos que fazem parte desse espectro, como:

E classificá-los em um único código, o TEA (Transtorno do Espectro Autismo)

Dessa forma, as subdivisões são relacionadas aos impactos na linguagem funcional ou capacidade intelectual, o que simplifica o diagnóstico.

5. Transexualidade (saúde sexual)

Um dos maiores avanços da CID-11 é a retirada da transexualidade da lista de doenças mentais para o capítulo de saúde sexual como incongruência de gênero ao invés de distúrbio de identidade de gênero.

A OMS afirma que os cientistas e profissionais de saúde têm evidências que a transexualidade não é um distrúrbio mental e a classificação anterior pode gerar estigmatização para as pessoas transgêneros. 

Essa alteração também visa garantir o acesso à saúde da população trans, como cirurgias e terapias em países que têm o SUS (Sistema Único de Saúde).

Saiba como melhorar a experiência dos pacientes transexuais e outros membros da comunidade LGBTQIA+ na nossa live:

6. Estresse pós-traumático

A categoria sobre estresse pós-traumático foi reduzida e simplificada para permitir que os profissionais de saúde cheguem a um diagnóstico mais fácil.

Atualmente a lista se encontra desta forma:

7. Documento completamente eletrônico

A CID-11 está há mais de uma década em construção e pela primeira vez na história das edições da CID, ela é completamente eletrônica e com um formato fácil de usar.

Neste artigo você viu as principais mudanças da CID-11. Espero que o conteúdo tenha sido útil. 🙂

Caso queira ter a CID integrada ao seu prontuário, conheça o prontuário eletrônico. Uma ferramenta de qualidade pode gerar relatórios de pacientes por CID e agilizar suas análises.

Antes de ir, não se esqueça de compartilhar o artigo com seus colegas!

Gostou deste conteúdo?

Junte-se a mais de 70 mil profissionais de saúde e não perca eBooks, planilhas, dicas e guias exclusivos que vão ajudar na gestão da sua clínica.

Quero receber conteúdos
Sair da versão mobile